PROVINCIA DE CURITIBA
Curitiba - 20 de Abril de 2014

Quem ama cuida, quem cuida Higieniza as Mãos

O Hospital e Maternidade Ribeirão do Pinhal visando o atendimento com segurança e eficácia aos seus pacientes, ministrou uma palestra a todos os colaboradores, com o título: Higienização das Mãos. O Enfermeiro Sergio Santana e a Enfermeira Irmã Elza Pavão, assessores desta palestra, conscientizaram a todos os presentes sobre a importância da higienização das mãos tornar-se um hábito diário e frequente em todas as pessoas, e principalmente com os profissionais que trabalham na área da Saúde. No decorrer da exposição dos conteúdos deram respostas e esclarecimentos aos seguintes tópicos:
 

1. O QUE É HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS?

É a medida individual mais simples e menos dispendiosa para prevenir a propagação das infecções relacionadas à assistência a saúde.


2. POR QUE FAZER HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS?

As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um possível reservatório de diversos microrganismos, que podem se transferir de uma superfície para outra, por meio de contato direto (pele com pele), ou indireto, através do contato com objetos e superfícies contaminados. A pele das mãos alberga, principalmente, duas populações de microrganismos: os pertencentes à microbiota residente e à microbiota transitória. A microbiota transitória coloniza a camada mais superficial da pele, o que permite sua remoção mecânica pela higienização das mãos com água e sabão.


3. PARA QUE HIGIENIZAR AS MÃOS?

A higienização das mãos apresenta as seguintes finalidades: remoção de sujidade, suor, oleosidade, pêlos, células descamativas e da microbiota da pele, interrompendo a transmissão de infecções veiculadas ao contato; prevenção e redução das infecções causadas pelas transmissões cruzadas, que consiste em passar a infecção de um paciente para o outro.


4. QUANDO DEVEMOS LAVAR AS MÃOS?

Ao iniciar o turno de trabalho, após ir ao banheiro, antes e depois das refeições, antes do preparo dos alimentos, antes do preparo e manipulação de medicamentos.


5. QUANDO DEVEMOS REALIZAR HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS COM PREPARAÇÃO ALCOÓLICA?

Higienizar as mãos com preparação alcoólica quando estas não estiverem visivelmente sujas, em todas as situações descritas a seguir:

Antes de contato com o paciente - Para proteção do paciente, evitando a transmissão de microrganismos das mãos do profissional de saúde. Ex: determinação do pulso, da pressão arterial, da temperatura corporal; contato físico direto; aplicação de massagem, realização de higiene corporal e gestos de cortesia e conforto.

Após contato com o paciente - Visando proteção do profissional e das superfícies e objetos próxi­mos ao paciente, evitando a transmissão de microrganismos do próprio paciente.

Antes de realizar procedimentos assistenciais e manipular dispositivos invasivos - Com o objetivo de proteção do paciente, evitando a transmissão de microrganismos das mãos do profissional de saúde. Ex: administração de medicamentos pe­las vias oftálmica e nasal; realização de curativos, aplicação de injeções; inserção de cateteres intravasculares e urinários, tubo endotraqueal.

Antes de calçar luvas para inserção de dispositivos invasivos que não requeiram preparo cirúrgico - A fim de proteger o paciente, evitando a transmissão de microrganismos das mãos do profissional de saúde. Ex: inserção de cateteres vasculares periféricos.

Após risco de exposição a fluídos corporais - Para proteção do profissional e das superfícies e objetos imediatamente próximos ao paciente, evitando a transmissão de microrganismos do paciente a outros profissionais ou pacientes.

Ao mudar de um sítio corporal contaminado para outro, limpo, durante o cuidado ao paciente - Tendo em vista a proteção do paciente, evitando a transmissão de microrganismos de uma determinada área para outras áreas de seu corpo. Ex: troca de fraldas e subsequente manipulação de cateter intravascular.

Após contato com objetos inanimados e superfícies imediatamente próximas ao paciente - Proteção do profissional e das superfícies e objetos imediatamente próxi­mos ao paciente, evitando a transmissão de microrganismos do paciente a outros profissionais ou pacientes. Ex: manipulação de respiradores, monitores cardíacos, troca de roupas de cama, ajuste da velocidade de infusão de solução endovenosa.

Antes e após remoção de luvas (sem talco) - Proteção do profissional e das superfícies e objetos imediatamente próxi­mos ao paciente, evitando a transmissão de microrganismos do paciente a outros profissionais ou pacientes. As luvas previnem a contaminação das mãos dos profissionais de saúde e ajudam a reduzir a transmissão de patógenos.


6. HIGIENIZAÇÃO ANTI-SÉPTICA DAS MÃOS

Nos casos de precaução de contato recomendados para pacientes portadores de microrganismos multirresistentes; nos casos de surtos.


7. DERGEMAÇÃO DAS MÃOS

No pré-operatório, antes de qualquer procedimento cirúrgico (indicado para toda equipe cirúrgica); antes da realização de procedimentos invasivos; inserção de cateter intravascular central, punções, drenagens de cavidades, instalação de diálise, pequenas suturas, endoscopias e outros.

Irmã Elza Pavão de Oliveira, FC
Hospital e Maternidade Ribeirão do Pinhal

 

   
   
   
   
   
                                         

voltar
topo
 © Copyright 2006 Província de Curitiba - Todos os direitos reservados Envie esta página por e-mail - Imprima esta Página